Novo inquérito revela prevalência de 12,4% de VIH em Moçambique

A prevalência do VIH em Moçambique desceu ligeiramente para 12,4%, mas continua entre as taxas mais altas do mundo, segundo os resultados de um novo inquérito apresentados hoje pelo Instituto Nacional de Saúde.

Novo inquérito revela prevalência de 12,4% de VIH em Moçambique

Novo inquérito revela prevalência de 12,4% de VIH em Moçambique

A prevalência do VIH em Moçambique desceu ligeiramente para 12,4%, mas continua entre as taxas mais altas do mundo, segundo os resultados de um novo inquérito apresentados hoje pelo Instituto Nacional de Saúde.

São cerca de dois milhões de adultos a viver com o vírus da imunodeficiência humana no país, ou seja, um em cada oito.

O último inquérito em Moçambique tinha sido feito em 2015 e na altura a prevalência era de 13,2%.

O país de cerca de 31 milhões de habitantes continua entre os mais afetados do mundo, comparando a prevalência hoje anunciada com os dados de outras nações (dados disponibilizados pelo programa das Nações Unidas para o VIH/Sida).

Tal como no resto da África subsaariana, em Moçambique a prevalência é claramente maior entre mulheres (15%) que homens (9%).

As diferenças são “particularmente notórias entre os 15 e 29 anos, chegando a prevalência a ser duas a três vezes mais alta entre as mulheres”, nota o INS.

“Uma em cada quatro mulheres entre os 35-39 anos está infetada”, destaca.

O inquérito indica também que o uso de preservativo “ainda é baixo”, sobretudo pelas mulheres: só 30,3% das mulheres disse usar preservativo, menos 11,6% que em 2015.

A percentagem de homens que disse usar preservativo aumentou 8,8% para 48,2%.

“Um em cada oito adultos em Moçambique vive com VIH, o que representa um desafio substancial para o sistema de saúde do país”, refere um resumo do inquérito.

“Estes resultados demonstram a necessidade de medidas de prevenção para reduzir o número de novas infeções”, acrescenta o documento.

O ministro da Saúde, Armindo Tiago, destacou hoje também algumas conquistas.

“Embora a média nacional da prevalência do VIH se mantenha elevada entre 2015 e 2021, gostaríamos de destacar a redução assinalável nas províncias de Manica e Maputo”, com reduções de 40% a 50%.

O Programa Conjunto das Nações Unidas para o VIH e Sida (ONUSIDA) estabeleceu as metas 95-95-95 para que, até 2025, 95% das pessoas com VIH conheçam o seu estado viral, 95% de todas as pessoas diagnosticadas estejam a receber tratamento de forma contínua e 95% destas alcancem a supressão da carga viral.

Moçambique está ao nível 72-96-89 destas metas, respetivamente, ou seja, três em cada 10 ainda não conhece o seu estado de infeção e apesar da cobertura de tratamento estar acima de 95% a supressão da carga viral ainda não superou os 89%.

O Insida 2021 baseou-se em entrevistas e recolha de amostras de sangue a cerca de 14.500 pessoas em todo o país entre abril de 2021 e fevereiro de 2022 e os resultados têm um intervalo de confiança de 95%.

O estudo contou com financiamento do Plano de Emergência do Presidente dos Estados Unidos para o Alívio da SIDA (PEPFAR, sigla inglesa) e assistência técnica do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC, sigla inglesa) e da Universidade de Columbia, ambos dos EUA.

LFO // TDI

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS