Ataque rebelde faz pelo menos 27 mortos na República Democrática do Congo

Pelo menos 27 pessoas foram mortas durante a noite no nordeste da República Democrática do Congo (RDC) num ataque atribuído aos rebeldes das Forças Democráticas Aliadas (FAD), disseram fontes da sociedade civil no final do sábado.

Ataque rebelde faz pelo menos 27 mortos na República Democrática do Congo

Ataque rebelde faz pelo menos 27 mortos na República Democrática do Congo

Pelo menos 27 pessoas foram mortas durante a noite no nordeste da República Democrática do Congo (RDC) num ataque atribuído aos rebeldes das Forças Democráticas Aliadas (FAD), disseram fontes da sociedade civil no final do sábado.

“A população está a fugir em todas as direções porque não há presença do exército nesta área”, disse Kinos Katuho, o presidente da sociedade civil da aldeia de Mamove, localizada a cerca de 12 quilómetros do local do incidente, de acordo com os meios de comunicação locais.

O ataque ocorreu na aldeia de Mambumembume na província de Kivu do Norte.

Katuho disse que os rebeldes atearam fogo a cerca de dez casas e que se desconhece o paradeiro de várias pessoas.

Os atacantes usaram catanas para matar algumas das suas vítimas e a sociedade civil está a recuperar os corpos para os transportar para uma morgue próxima, disse Katuho.

A ADF é um grupo rebelde de origem ugandesa, atualmente sediado no nordeste da RDC, perto da fronteira do país com o Uganda.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a ADF foi responsável por cerca de 1.260 mortes em 2021, o que a tornou no grupo armado mais letal da RDC.

Além disso, as autoridades ugandesas acusaram a ADF de organizar três atentados suicidas à bomba no seu território em novembro de 2021.

Os objetivos da milícia não são claros, para além de uma suposta ligação à organização terrorista Estado Islâmico, que por vezes reivindica a responsabilidade pelos seus ataques.

Embora os peritos do Conselho de Segurança da ONU não tenham encontrado provas de apoio direto da Estado Islâmico à ADF, os Estados Unidos identificaram os rebeldes como uma “organização terrorista” afiliada ao grupo jihadista desde março de 2021.

A fim de neutralizar a ADF, os exércitos da RDC e do Uganda iniciaram uma operação militar conjunta em solo congolês no final de novembro de 2021, que ainda está em curso.

Desde 1998, o leste da RDC tem sido assolado por conflitos alimentados por milícias rebeldes e ataques de soldados do exército, apesar da presença da missão de manutenção da paz da ONU, com mais de 14.000 soldados.

A ausência de alternativas e de meios de subsistência estáveis levou milhares de congoleses a pegar em armas e, segundo o barómetro de segurança de Kivu, o Grupo de Estudo do Congo, a região é o campo de batalha de pelo menos 122 grupos rebeldes.

JMC // JMC

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS