Guiné-Bissau desce para 44.ª posição do Índice Ibrahim de Governação Africana

A Guiné-Bissau desceu para a 44.ª posição do Índice Ibrahim de Governação Africana (IIAG) 2022, continuando a mostrar sinais preocupantes de declínio recente, segundo um relatório publicado hoje. 

Guiné-Bissau desce para 44.ª posição do Índice Ibrahim de Governação Africana

Guiné-Bissau desce para 44.ª posição do Índice Ibrahim de Governação Africana

A Guiné-Bissau desceu para a 44.ª posição do Índice Ibrahim de Governação Africana (IIAG) 2022, continuando a mostrar sinais preocupantes de declínio recente, segundo um relatório publicado hoje. 

O país está num grupo de oito, juntamente com o Burkina Faso, Essuatíni, Guiné-Conacri, Libéria, Madagáscar, Namíbia e Ruanda, que mostram sinais de preocupação porque inverteram a tendência para uma trajetória negativa ou pararam completamente o progresso.

Apesar de progressos relevantes nas categorias de “Participação, direitos e inclusão”, “Segurança e Estado de Direito” e “Desenvolvimento humano”, registou uma deterioração acentuada em “Bases para as oportunidades económicas”, de acordo com o índice elaborado pela Fundação Mo Ibrahim. 

O Índice Ibrahim de Governação Africano (IIAG) mede anualmente a qualidade da governação em 54 países africanos através da compilação de dados estatísticos do ano anterior.  

Apesar de ter registado um progresso ligeiro de 1,1 pontos na última década, entre 2012 e 2021, a curva de crescimento que o IIAG vinha a registar desde 2014 estagnou desde 2019.  

A desaceleração, que coincide com o período da pandemia covid-19, deve-se sobretudo ao aumento de conflitos armados, repressão contra civis e retrocessos democráticos em geral, que causaram deteriorações em termos de segurança, respeito do estado de direito, participação e direitos civis.

Estes recuos anularam avanços registados em África com mais oportunidades económicas e desenvolvimento humano, em particular no acesso a cuidados de saúde. 

BM 

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS