Presidente do Brasil exonerou comandante do Exército

O presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, exonerou o comandante do Exército, o general Júlio César de Arruda, e nomeou para o cargo o general Tomás Ribeiro Paiva, revelou hoje a imprensa brasileira.

Presidente do Brasil exonerou comandante do Exército

Presidente do Brasil exonerou comandante do Exército

O presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, exonerou o comandante do Exército, o general Júlio César de Arruda, e nomeou para o cargo o general Tomás Ribeiro Paiva, revelou hoje a imprensa brasileira.

O anúncio ocorre um dia depois de Lula da Silva ter estado reunido, em Brasília, com o ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, e com os comandantes do Exército, da Marinha, almirante Marcos Sampaio Olsen, e da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Marcelo Kanitz Damasceno.

A mudança acontece também duas semanas depois da invasão das sedes do Congresso, da Presidência e do Supremo Tribunal Federal, em Brasília, por milhares de simpatizantes e apoiantes do ex-presidente Jair Bolsonaro, que deixou o poder a 01 de janeiro.

O jornal Folha de São Paulo noticia que a decisão de exoneração do comandante do Exército foi comunicada hoje ao general Júlio César de Arruda, que deixa o cargo menos de um mês em funções.

De acordo com o jornal, Lula da Silva considera que o general Júlio César de Arruda “não mostrou vontade” em agir com celeridade para responder às dúvidas sobre a atuação dos militares nas invasões de 08 de janeiro.

O jornal O Globo lembra que Tomás Ribeiro Paiva, agora nomeado para comandante do Exército, tem 62 anos e chefiava desde 2021 o Comando Militar do Sudeste desde 2021, ainda na administração do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Na sexta-feira, após a reunião com os comandos militares, o ministro da Defesa do Brasil, José Múcio Monteiro, afirmou que não acredita no “envolvimento direto das Forças Armadas” nos ataques em Brasília, mas que se alguém participou vai “responder como cidadão”.

“Entendo que não houve envolvimento direto das Forças Armadas. Agora, se algum elemento, individualmente, teve a sua participação, ele vai responder como cidadão”, afirmou, à saída da reunião, o ministro da Defesa, citado na imprensa local.

SS(MIM)// APN

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS